Só tenho ideias parvas!

Desde pequeno que sempre gostei de ciclismo e chegado o Verão acompanhava com bastante entusiasmo a Volta a Portugal. A grande etapa era sempre a mítica etapa da Subida à Torre. Uma subida interminável até ao ponto mais alto de Portugal Continental, onde só os mais fortes ganhavam!

Quando comecei a andar de bicicleta de estrada sempre disse que um dia ia subir à Torre. Na altura nunca aconteceu e entretanto deixei de pedalar. Uns anos depois virei-me para a corrida e a subida à Torre ficou pelo sonho da altura em que pedalava.

O ano passado por causa dos Triatlos voltei a pedalar assiduamente e o velho sonho de subir à Torre voltou a surgir. Desde que tive esta ideia parva pela primeira vez ainda em miúdo até aos dias de hoje surgiram uma série de provas de ciclismo denominadas de Granfondo (para a distância maior) ou Mediofondo (para uma distância mais pequena).

Se ir o ano passado, ano em que recomecei a pedalar, seria uma ideia muito parva, este ano, apesar de mais alguns treinos nas pernas, não fica uma ideia menos parva. Mas mesmo assim aqui o vosso amigo decidiu inscrever-se no MedioFondo Serra da Estrela. 

Vão ser 102 Km com "apenas" 2800 metros de desnível positivo. Vou ter pela frente duas longas subidas de cerca de 20 quilómetros cada uma, com a última a termina no tão desejado Alto da Torre!
Mesmo depois de inscrito tenho receio de onde me fui meter. Tenho dúvidas se terei capacidade para tal empreitada, mas acho que por mais que treine, irei sempre chegar à hora da partida com a companhia destas dúvidas.

Estou inscrito! Dia 09 de Julho vou tentar cumprir o sonho que tenho desde miúdo. Vou durante umas horas imaginar que sou um Gamito ou um Joaquim Gomes e pedalar até conquistar o alto da Torre.

Mas...
Ainda não terminei...
A minha parvoíce não tem limites...

Como não bastava uma prova destas, inscrevi-me logo em duas. 

A Organização da prova da Serra da Estrela organiza também uma outra em Setembro e tinham um pacote de inscrição para as duas, foi o que fiz. 

Assim a 10 de Setembro, se tudo correr bem, irei também alinhar na partida do MedioFondo Aldeias do Xisto. Não é uma Serra da Estrela, mas mesmo assim irei ter pela frente 102 Km com 2000 metros de desnível positivo. 
Agora vou só ali chorar um bocadinho enquanto olho para estes dois gráficos e depois, treinar!

Resumo Mensal - Fevereiro 2017

O mês de Fevereiro acabou por ser mais preenchido que o anterior. Os treinos têm de começar a aumentar com vista ao primeiro objectivo do ano e também a existência de duas provas assim o obrigou. 

As provas deste mês correram ambas bastante bem e foram as duas de corrida, primeiro o GP de Mem Martins e depois a Meia Maratona de Cascais 

Calendário - Fevereiro 2017



Corrida - Fevereiro 2017
Se em 2016 de Janeiro para Fevereiro houve uma quebra grande nos números, este ano foi ao contrário. Para tal muito ajudou a participação na Meia Maratona de Cascais. 

Continuo com menos quilómetros que noutros anos, mas se conseguir ir aumentando os quilómetros mês a mês não é mau.




Ciclismo - Fevereiro 2017
Em principio o ciclismo de 2017 será sempre superior ao de 2016 como já tive oportunidade de dizer no resumo do mês passado. No entanto acabei por fazer menos treinos que em Janeiro.

Mesmo com menos treinos que em Janeiro o destaque vai dois deles que foram feitos na rua, tendo sido os primeiros de 2017. Isso nota-se claramente no aumento do desnível de 0 em Janeiro para cerca de 700 metros este mês.



Natação - Fevereiro 2017
Das 3 modalidades que pratico a Natação foi a mais constante, mantive os 4 treinos do mês anterior e com praticamente a mesma distância feita, só uns metros a menos. 


Ref. Muscular - Fevereiro 2017
O famoso Reforço Muscular continua a ser o que menos tempo tem ao longo do mês. Inclusive é a única coisa que tem menos volume do que em 2016.

Posso adiantar que em Março devo inverter esta tendência


1ª Meia Maratona de Cascais

A última Meia Maratona que fiz foi em Setembro de 2015, em São João das Lampas. Um ano e cinco meses depois, voltei a fazer os 21 Km, desta vez na primeira edição da Meia Maratona de Cascais. Estava preparado e com treinos para enfrentar esta distância? Não!

O plano era ter feito, incrementalmente, treinos longos até aos 18 Km. Na prática houve um único treino longo de 15 Km, feito a 21 de Janeiro. Ou seja, o meu treino mais longo, desde o início de 2016 foram 15 Km, só... Melhor preparação não podia haver!

Apesar da inexistente preparação, não estava nada preocupado ou nervoso para a prova. Não tinha qualquer pressão para obter algum tempo em especial. Enquanto conseguisse correr, corria, quando não desse mais, ia a andar. Era este o plano. Se por algum milagre fizesse a prova toda sem parar de correr, melhor. 


O dia não podia estar melhor. Uma temperatura excelente, céu nublado mas sem ar de ir chover e o melhor de tudo, praticamente não havia vento.

Desta vez, sem qualquer aquecimento feito, fui para o local da partida aguardar pelo início. A prova não podia começar sem um sentido minuto de silêncio, em homenagem à grande Analice Silva, que nos deixou há uns dias. Podem ficar a conhecer a história desta grande atleta aqui aqui.

O meu plano para a prova era ir num ritmo bastante conservador, logo desde o início. Assim o planeei, assim o fiz.

Devagarinho, sempre a cerca de 6:15 min/km, fui percorrendo quilómetro após quilómetro. O  corpo estava a responder bastante bem e seguia sem me sentir minimamente em esforço. Ao contrário do Campeonato Nacional de Estada, desta vez o ritmo cardíaco estava de acordo com a velocidade a que corria.

Já com o sol como companhia, cheguei a meio da prova e ao ponto de viragem perto da praia do Guincho. Continuava a sentir-me bastante bem e sem quebras no ritmo. Foi aqui que comecei a acreditar que seria capaz de chegar ao fim sem ter de caminhar.


Já no regresso e ao aproximar-me dos 15 Km, o cansaço começou a aparecer, mas continuava a sentir-me bem e a acreditar que ia chegar ao final. A única dúvida que restava era como ia passar o quilómetro 18, onde normalmente tenho problemas nas provas desta distância.

O quilómetro 18 acabou por passar tal como todos os outros, sem problemas! Para ajudar a motivar, estava praticamente desde o ponto de retorno a ultrapassar outros atletas. Estava tão bem que nos últimos dois quilómetros comecei a forçar o ritmo (5:53, e 5:17), até acabar a prova a sprintar a cerca de 3:30. Claro com a ajuda da descida para a baía de Cascais!

O tempo final foi um excelente 2:12:28, que equivale ao meu quarto melhor tempo à Meia Maratona. Aliás posso dizer que das onze provas que fiz nesta distância, esta com o menor treino delas todas, foi aquela em que me senti melhor do início ao fim. 


Não sei explicar como é que a prova resultou assim, mas não podia ter tido um melhor regresso às Meias Maratonas! Ok, excepto o escaldão com que fiquei na cabeça...

 A próxima será na Ponte 25 de Abril.

1ª Meia Maratona de Cascais

10º GP de Mem Martins

No passado domingo foi dia de regressar a casa. Não que não volte a Mem Martins pelo menos uma vez por semana, mas normalmente é mais para comer do que para correr. A participação na décima edição do GP de Atletismo de Mem Martins foi o regresso a algumas estradas onde muitas vezes treinei.


Se na prova anterior (Campeonato Nacional de Estrada) não me tinha sentido nada bem, nesta isso não aconteceu, e mesmo com poucos treinos nas pernas dei por mim a pensar que até estava a conseguir correr a um ritmo aceitável e com boas sensações.

A primeira passagem pela longa subida no Algueirão serviu para reforçar essa ideia. Claro que o ritmo desceu, mas mesmo assim consegui ir ultrapassando muita gente o que ia dando bastante moral. O mesmo aconteceu na segunda passagem pela subida.

Entre a primeira e a segunda passagem na subida do Algueirão ainda houve tempo para uma voltinha pela Tapada as Mercês, em terreno maioritariamente plano, ou a descer, que dá para recuperar um bocadinho de tempo.

Na parte final da corrida, já de volta ao Algueirão, consegui ir aumentando o ritmo. Já quase no final ainda tentei terminar abaixo dos 55 minutos, mas não consegui. Acho que a gestão do esforço que fiz ao longo da prova até foi boa, mas faltou força para um sprint final.


Terminei com um tempo de 55:12, o que até acaba por ser a minha melhor marca nesta prova. 

10º GP de Mem Martins - A minha prova:

GP de Mem Martins - O meu histórico: